5.3.3. Componente humano

O pessoal de saúde (médicos e enfermeiros) deve receber formação em:
- Avaliação correta do que constitui uma exposição à raiva (em relação ao historico clínico do animal) e dos casos em que é adequado administrar o soro (SAR), a imunoglobulina (IGR) ou a vacina (VAR) anti-rábica, como descrito aqui e aqui. Isto é importante para assegurar que não haverá uma utilização desnecessária de vacinas, atendendo ao seu custo elevado.
- Aconselhamento médico adequado às pessoas afetadas.
- Importância e métodos corretos de tratamento das feridas causadas por mordeduras de animais, como descrito aqui e aqui.
- As vacinas humanas recomendadas atualmente pela OMS, enumeradas aqui.
- Armazenamento (incluindo o período de armazenamento depois da reconstituição) e transporte da vacina.
- Administração de imunoglobulina anti-rábica ou administração de vacina anti-rábica por via intramuscular ou intradérmica, menos onerosa.
- Tratamento de efeitos secundários negativos decorrentes da vacinação.
- Cuidados prestados aos pacientes.
- Registro correto de dados hospitalares (por exemplo, dados sobre mordeduras de animais, mortes humanas devido à raiva, doses de vacinas administradas) e transmissão desses dados às entidades governamentais pertinentes (que podem variar de país para país).
- Colheita de amostras humanas para diagnóstico, descrita aqui.
- Legislação, incluindo a notificação. Consultar também aqui para saber mais sobre os quadros legislativos.
- Necessidade de intercâmbio de informações entre os setores de saúde humana e animal (por exemplo, vigilância de animais que mordem).




página anterior: 5.3.2. Componente canino

página seguinte: 5.3.4. Outros





Página de abertura do sítio | Contacto | Planta do sítio |
Segunda versão; última atualização em julho de 2013